O orgulho de ser o primeiro grupo coral de uma adega, agora que o Cante Alentejano é património mundial 03/12/2014
 

Foi no dia 27 de Novembro de 2014 que a UNESCO aprovou a inscrição do Cante Alentejano na lista representativa do património cultural imaterial da humanidade.

Depois do Fado, o Cante Alentejano foi reconhecido internacionalmente, no seguimento de um trabalho de 15 anos pela valorização de um género musical considerado uma «expressão colectiva — (ele) implica entre 18 e 30 vozes. É inclusiva. É muito atenta ao movimento social», conforme descrito ao Público pelo cantor Vitorino.

Foi, por isso, com grande orgulho que as notícias de Paris chegaram à Vidigueira, onde o Grupo Coral da Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito, fundado em Janeiro de 2013, surgiu de forma espontânea sobre a égide dos sócios da Adega, alguns deles intérpretes do cante alentejano.

A ideia de formar um grupo coral de viticultores desta região, o primeiro no país, surge da vontade de dar a conhecer do ponto de vista comercial uma das maiores riquezas destes concelhos — o vinho — e a sua riqueza cultural implícita, conferindo-lhe um carácter personalizado ditado pelas suas castas autóctones, como o Antão Vaz. Constituído por vinte e cinco elementos — sócios e colaboradores da Adega —, com orientação dos responsáveis Mestre e Porta-Voz, assim como da Direção da Adega, pretende reforçar: Vidigueira, quando o vinho é uma viagem…

«Aqui… Aqui na planície dourada, onde a voz do vento soa mais alto, em harmonia com os tons da terra, conferindo-lhe sonoridades de beleza infinita: ali… ouvi mil vezes, ouvi… lindas modas imortais. Os homens da “terra do cante” foram moldados pela planície que lhes deu carácter, verticalidade ímpar, única e um saber musical que se perde nos primórdios do tempo, numa simbiose de várias culturas cruzadas entre os povos do Sul», palavras do Grupo Coral da Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito.

Copyright (c) Adega cooperativa da Vidigueira - 2013 - Design by HBR Morada